Navegação – Mapa do site

Normas de Publicação

Tipologias de textos

Artigos

Os artigos não devem ultrapassar as 6 000 palavras (sem bibliografia incluída), ou cerca de 40 000 caracteres (incluindo espaços). Deve ser seguida a estrutura clássica de um artigo académico. Os artigos incluem resumo e abstract, palavras-chave e biografia do (s) autor (es).

Notações

Textos menos extensos sobre experiências, projetos de investigação (ex. work in progress), pequenos artigos, relatórios, entre outros (até 3000 palavras ou aproximadamente 20 000 caracteres, incluindo espaços). À semelhança dos artigos podem ser acompanhados de um resumo (incluindo em inglês), palavras-chave e nota biográfica do (s) autor (es).

Recensões críticas

As recensões (livros e exposições) não devem ultrapassar as 1500 palavras ou aproximadamente 10 000 caracteres (incluindo espaços). No caso das recensões de livros aceitam-se textos sobre publicações recentes (não mais de 2-3 anos) do panorama português e internacional na área dos museus e do património. Em caso de dúvida consulte o (a) editor (a) assistente.

A recensão deve ser identificada com o nome do autor e a referência bibliográfica da obra recenseada (autor. ano. título. local de edição: editora. páginas, ISBN). Exemplo:

Anico, Marta. 2008. Museus e pós-modernidade: discursos e “performances” em contextos museológicos locais. Lisboa: Universidade Técnica de Lisboa e Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas. 490 páginas, ISBN: 978-989-646-003-7.

No início da recensão o autor deve indicar o seu nome, afilição institucional, país e contacto de e-mail (opcional). Exemplo:

Margarida Lima de Faria

Instituto de Investigação Científica Tropical (IICT), Portugal


xxxx@xxxx

Línguas

Português, Espanhol, Inglês e Francês. Para os textos em português, a revista adota as novas regras do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. Para converter os textos para a nova grafia está disponível o software Lince no portal da Língua Portuguesa: http://www.portaldalinguaportuguesa.org/

Formatação

Microsoft Office Word (formato do ficheiro); Times New Roman, tamanho 12 pt; texto justificado; espaçamento 1,5; sem tabulações; numeração das páginas: sequencial; notas de rodapé: numeração automática.

Título e subtítulo

Os artigos devem incluir um título, de preferência claro e conciso. O subtítulo é opcional. Não se aconselham títulos muito longos. Além do título na língua em que é escrito, deve ser apresentado título em inglês. Títulos em maiúsculas devem ser evitados. (Obs. Não aplicável no caso das recensões).

Resumo

Os artigos devem incluir um resumo na língua em que são escritos e em inglês. O resumo não deve ultrapassar as 250 palavras ou aproximadamente 1625 caracteres (incluindo espaços). Os textos na secção “Notações” também podem incluir um resumo. (Obs. Não aplicável no caso das recensões).

Palavras-chave

Para cada artigo devem ser indicadas até 5 palavras-chave na língua do artigo e em inglês. Estas palavras descrevem o tema do artigo e os principais aspectos desenvolvidos. Podem ser utilizados termos compostos (ex. nova museologia). As palavras-chave devem escrever-se no singular e, no caso de terem mais do que um género, usar preferencialmente o masculino. Além disso, devem ser apresentadas separadas por vírgula e em minúsculas, exceto no caso do nomes próprios, países e cidades. (Obs. Não aplicável no caso das recensões)

Nota biográfica do (s) autor (es)

Os artigos devem ser acompanhados de uma nota biográfica (enviada em separado) que não ultrapasse as 100 palavras, ou até 700 caracteres (incluindo espaços). Neste resumo são referidos apenas os dados mais relevantes (em texto corrido), tais como: formação académica, linhas de investigação desenvolvidas, interesses e afiliação institucional. A nota biográfica deve ser escrita na mesma língua que o artigo. Caso o autor não pretenda que o seu contacto de e-mail seja publicável deve informar o secretariado da revista. (Obs. Não aplicável no caso das recensões)

Citações

As referências bibliográficas em nota de rodapé devem ser evitadas. Como norma, as referências bibliográficas no texto devem seguir o sistema Autor-Data do Chicago Manual of Style (autor ano, páginas). Veja o exemplo:

“The museum has always been a complex, contradictory site that is not always amenable to a reading based on a notion of power relations” (Witcomb 2003, 26).

Esta citação refere-se à página 26 da seguinte obra:

Witcomb, Andrea. 2003. Re-imagining the museum: beyond the mausoleum. London: Routledge.

No caso de mais de três autores utiliza-se “et al.”, ex. (Karp et al. 2006, 254)

Quando na bibliografia existe mais do que uma obra do mesmo autor e do mesmo ano, deve optar-se por colocar uma letra após o ano (ex. Witcomb 2003a, 26).

Mais exemplos:

Vários autores têm refletido sobre o tema (Sandell 1998, 2002; Sherman et al. 1994; Branco 2008).

Clara Camacho (1999) explorou este tema.

Outros autores têm criticado esta estratégia (Simpson 2007; Robertson 2005; Duarte 2009).

Quando uma citação tem duas ou três linhas pode inserir-se no corpo do texto, entre aspas ou itálico. Todavia, quando a citação ultrapassa as três linhas deve ser colocada fora do texto num parágrafo (ou vários parágrafos), destacada com um tamanho de letra inferior e uma tabulação distinta. Veja o exemplo:

La nueva constituición [del ICOM] puede ser verdaderamente democrática [...], pero, afortunadamente, el ICOM se encuentra todavía en una fase inicial de su formación y dearollo [...]. Tan firmemente centralizada en París como está hoy, no tendría sentido elegir sus altos cargos entre quienes no dispongan de libertad para viajar a sus reuniones. El controlo práctico ha de estar forzosamente en manos de unos pocos entusiastas que disponen de ocasión y de ánimo para dedicarse a ese trabajo (Griggs 1951, 162).

Bibliografia

Referências na bibliografia final. Alguns exemplos:

Barrett, Jennifer. 2011. Museums and the public sphere. Chichester: Wiley-Blackwell.

Sherman, Daniel J., e Irit Rogoff. 1994. Museum culture: histories, discourses, spectacles. London: Routledge.

Karp, Ivan, Christine Mullen Kreamer, e Steven D. Lavine, eds. 1992. Museums and communities: the politics of public culture. Washington: Smithsonian Institution Press.

Karp, Ivan, et al., eds. 2006. Museum frictions: public cultures/global transformations. Durham: Duke University Press.

Sandell, Richard, ed. 2002. Museums, society, inequality. London: Routledge.

Varine, Hugues de. 2012. As raízes do futuro: o patrimônio a serviço do desenvolvimento local. Tradução de Maria de Lourdes Parreiras Horta. Porto Alegre: Medianiz.

Simpson, Moira. 2007. Um mundo de museus: novos conceitos, novos modelos. In O estado do mundo, ed. C. Pacheco et al., 121-160. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian e Tinta da China.

Pais de Brito, Joaquim. 2006. O museu, entre o que guarda e o que mostra. In Museus: discursos e representações, ed. Alice Semedo e João Teixeira Lopes, 149-161. Porto: Edições Afrontamento.

Sandell, Richard. 1998. Museums as agents of social inclusion. Museum Management and Curatorship. 17(4):401-418.

Camacho, Clara. 1999. Renovação museológica e génese dos museus municipais da Área Metropolitana de Lisboa: 1974-90. Dissertação de mestrado, Universidade Nova de Lisboa.

Duarte, Adelaide. 2012. Da colecção ao museu. O coleccionismo privado de arte moderna e contemporânea, em Portugal, na segunda metade do século XX. Contributos para a história da museologia. Tese de doutoramento, Universidade de Coimbra.

Semedo, Alice, e Inês Ferreira. 2012. “Collaborative spaces of reflective practice”. Paper apresentado no The transformative museum conference, Odense, Dinamarca.

Branco, Jorge Freitas. 2008. Significados esgotados: sobre museus e coleções etnográficas. https://repositorio.iscte.pt/bitstream/10071/1147/1/Branco (consultado em fevereiro 12, 2011).

Semedo, Alice e Elisa Noronha Nascimento, coord. 2010. Actas do I seminário de investigação em museologia dos países de língua portuguesa e espanhola, vol. 3. Porto: Universidade do Porto. http://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/8637.pdf (consultado em setembro 16, 2012).

Pinto, José Madureira. 2010. A prática da razão sociológica: forçando os limites. In Actas do I seminário de investigação em museologia dos países de língua portuguesa e espanhola, ed. Alice Semedo e Elisa Noronha Nascimento, vol. 1. Porto: Universidade do Porto. http://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/8035.pdf (consultado em abril 13, 2012).

UNESCO. Ratified Conventions: Portugal. http://www.unesco.org/eri/la/conventions_by_country.asp?language=E&typeconv=1&contr=PT. (consultado em março 20, 2012).

ICOM. 2004. Resolutions adopted by ICOM’s general assembly 2004: “Seoul declaration of ICOM on the intangible heritage”. http://icom.museum/resolutions/eres04.html (consult. abril 23, 2009).

Para mais esclarecimentos sobre este estilo bibliográfico consulte o website: http://www.chicagomanualofstyle.org/tools_citationguide.html (em inglês)

Para instruções em português consulte os serviços de documentação da Universidade do Minho: http://www.sdum.uminho.pt/Default.aspx?tabid=4&pageid=315&lang=pt-PT (Estilo Chicago, Sistema Autor-Data)

A referência a entrevistas deve ser indicada também no final da bibliografia, criando uma subdivisão do tipo: “Materiais adicionais”; ou “Lista de Entrevistas”; ou “Outras Fontes”. Exemplos:

Lagerkvist, Cajsa. 2011. Entrevista conduzida pelo autor a 15 de junho, no Museum of World Culture, Gotemburgo.

Pontes, Rita. 2012. Entrevista conduzida por Maria Carvalho a 12 de janeiro, no Museu do Chiado, Lisboa.

Semedo, Alice. 2009. Entrevista conduzida pela autora a 14 de novembro, na Universidade do Porto.

Nota: Ao longo da bibliografia deverá repetir-se sempre o nome do autor mesmo quando existem várias obras desse autor, ou seja, não utilizar o hífen para suprimir essa repetição.

Ilustrações

São admissíveis até 5 elementos (ex. ilustrações, tabelas, desenhos, mapas e gráficos). No caso das imagens o formato adotado é o JPEG, sendo que apenas se aceitam as imagens com boa qualidade digital (no mínimo 300 dpi, 10×15 cm, 1200×1800 px). Todas as imagens devem ser indicadas no texto (ex: Fig. 1, Fig. 2, etc.). As legendas devem ser o mais completas possível (ex. título, data, local, autor, copyright). Exemplos:

Fig. 1 – Sala de Exposições, 1980. Museu de Lamego.
Fotografia de João Carvalho © Arquivo Histórico Lamego.

Fig. 2 – Cruz processional (séc. XIII), 1998. Museu Nacional de Arte Antiga. Inv. 540 Our.
© José Pessoa, Instituto dos Museus e da Conservação (IMC).

Fig. 3 – Vista da entrada da sala, 2009. Museu Calouste Gulbenkian.
Fotografia de Carlos Moreira.

Créditos das ilustrações

É da responsabilidade de cada autor a autorização para divulgar juntamente com o texto qualquer material com direitos de autor. No entanto, a revista pode intervir, caso se justifique, nos pedidos de autorização. Para esse efeito consulte o (a) editor (a) assistente.

Direitos de autor

A propriedade intelectual dos artigos (ou outros textos) pertence aos autores e os direitos de edição e publicação são da revista. Toda e qualquer informação entregue pelos autores à revista serve apenas os objetivos desta publicação e não são divulgados a terceiros.

Licença Creative Commons

Todos os conteúdos da Revista MIDAS, exceto onde está identificado, são publicados ao abrigo de uma licença Creative Commons - Atribuição CC BY-NC-ND.

Seleção e publicação

Todos os textos publicados nesta revista devem ser originais, o que significa que não deverão ter sido publicados em outras revistas ou websites. No caso dos artigos que se baseiam numa comunicação (texto que não tenha sido publicado), tal deve ser mencionado no texto, por exemplo em nota de rodapé. Em caso de dúvida consulte o (a) editor (a) assistente.

A revista assenta num sistema regular de chamada de artigos (call for papers), no seguimento do qual são enviadas propostas aos editores. Numa segunda fase os artigos são submetidos à avaliação de forma anónima por dois elementos do Comité Científico. Com relação aos textos incluídos na secção “Notações” e “Recensões críticas” a seleção das propostas recebidas é da responsabilidade dos editores.

Os editores reservam-se o direito de proceder à uniformização das referências bibliográficas no texto e na bibliografia final e outras alterações formais, sempre que estas não alterem o sentido do texto.

Os autores são informados no prazo máximo de seis meses sobre a publicação do texto submetido.

Parâmetros de avaliação

Os editores privilegiam textos que se destaquem pela sua capacidade de teorização, reflexão crítica, inovação e originalidade. Atendendo às várias componentes da estrutura de um artigo, os textos são avaliados de acordo com os seguintes critérios: resumo (clareza, objetividade e adequação); introdução (definição dos objectivos e do objeto de estudo); enquadramento teórico (estrutura, coerência, qualidade e rigor); metodologias (clareza e adequação); conclusões (coerência dos resultados em função dos objectivos, adequação das recomendações); bibliografia (atualização e estado da arte do tema); escrita (clareza e qualidade); material complementar: imagens/ilustrações/tabelas/quadros (qualidade, rigor e adequação); dimensão do artigo (adequação); relevância, originalidade e criatividade.

Envio de propostas

As propostas devem ser enviadas para o seguinte e-mail: revistamidas@gmail.com

O autor deve referir o nome pelo qual deseja ser citado, contacto telefónico, e-mail publicável e afiliação institucional. A identificação do autor entre outras informações que possibilitem a sua identificação serão ocultadas do texto, uma vez que os artigos são submetidos a um processo de arbitragem científica sob anonimato. As notas biográficas devem, por sua vez, ser enviadas em documento separado.

Caso se justifique, o material não digital pode ser enviado para a redação da revista:

Revista MIDAS

CIDEHUS – Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora, Palácio do Vimioso, Apartado 94-7002-554 Évora – Portugal

  • Logo CHAIAS
  • Logo Instituto de História da Arte
  • Logo Cidehus
  • Logo Universidade de Porto
  • Logo Faculdade de Ciências Sociais e Humanas - UNL
  • Logo Museu da Ciência
  • Logo FCT
  • Les cahiers de Revues.org